Assistência ao parto em mulheres indígenas de Pernambuco, 2008 a 2015

dc.contributor.advisorAlves, Sandra Valongueiro
dc.contributor.authorBezerra, Diana de Oliveira
dc.creator.affilliationUniversidade Federal de Pernambuco. Recife, PE, Brasilen_US
dc.date.accessioned2021-11-08T20:41:23Z
dc.date.available2021-11-08T20:41:23Z
dc.date.issued2017
dc.degree.date2017
dc.degree.departmentCentro de Ciências da Saúdeen_US
dc.degree.grantorUniversidade Federal de Pernambucoen_US
dc.degree.localRecife/PEen_US
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Saúde Coletivaen_US
dc.description.abstractAo longo dos anos, o modelo de assistência à gestação e ao parto vem sofrendo transformações no Brasil. Com o avanço da medicina, as mulheres, que antes eram consideradas protagonistas daquele momento, passaram a ser vítimas de um modelo de parto medicalizado. A atenção ao parto se transformou em ato médico, centrado no hospitalar, com crescente nível de intervenções. Como consequência, o Brasil tornou-se um dos países com maior ocorrência de cesarianas no mundo, que remete a um cenário de padronização do nascimento, desconsiderando aspectos culturais das mulheres. A diversidade sociocultural, econômica e epidemiológica que caracteriza o universo feminino brasileiro configura-se ainda um grande desafio enfrentado pelas políticas do governo. As mulheres indígenas compõem uma parte dessa população culturalmente diferenciada que demanda a criação de uma política de saúde adequada aos múltiplos contextos étnicos dos quais elas fazem parte. Este estudo teve como objetivo analisar o modelo de assistência ao parto em mulheres indígenas no período de 2008 a 2015 em Pernambuco. Tratou-se de um estudo descritivo em que inicialmente foi realizada uma pesquisa documental sobre modelo de assistência ao parto entre mulheres indígenas no Brasil. Em seguida, foram analisadas as informações contidas na Planilha de Nascimentos do DSEI/PE e complementados com dados do SINASC/PE entre os anos de 2008 e 2015. A pesquisa documental mostrou inexistência de ações e políticas específicas para as mulheres indígenas durante o período gravídico-puerperal. Em relação atenção obstétrica, verificou-se uma média de 700 nascimentos ao ano, destacando-se as etnias Pankararu (21%) e Xukuru do Ororubá (21%) com maior número de nascimentos no período. Predominam (76%) as mulheres com idade entre 20 e 39 anos, 74% de parto vaginal, porém observou-se índice de cesariana (26%) acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Apenas 5% dos partos entre os anos 2008 a 2015 aconteceram nas aldeias. A escassez de políticas públicas de atenção ao parto respeitando as especificidades dos povos indígenas vem, ao longo do período também sofrendo mudanças, sendo essas influenciadas pelo modelo predominantemente hospitalar e medicalizado da população não indígena.en_US
dc.identifier.citationBEZERRA, Diana de Oliveira. Assistência ao parto em mulheres indígenas de Pernambuco, 2008 a 2015. 2017. 59 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017en_US
dc.identifier.urihttps://repositorio.bvspovosindigenas.fiocruz.br/handle/bvs/5087
dc.language.isoporen_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.decsAtenção à Saúde
dc.subject.decsBrasilen_US
dc.subject.decsSaúde de Populações Indígenasen_US
dc.subject.decsÍndios Sul-Americanosen_US
dc.subject.decsSaúde da Mulheren_US
dc.subject.decsPartoen_US
dc.subject.otherAtenção à Saúde
dc.subject.otherPernambucoen_US
dc.subject.otherRegião Nordesteen_US
dc.titleAssistência ao parto em mulheres indígenas de Pernambuco, 2008 a 2015en_US
dc.typeDissertationen_US
Files
Original bundle
Now showing 1 - 1 of 1
Loading...
Thumbnail Image
Name:
DISSERTAÇÃO Diana de Oliveira Bezerra.pdf
Size:
2.24 MB
Format:
Adobe Portable Document Format